Genética

Exercícios de Ecologia

Exercícios

Parte I: Introdução à Ecologia

1) (PUC-SP) O conjunto do ambiente físico e dos organismos que nele vivem é conhecido como:

a) biótopo

b) ecossistema

c) biomassa

d) bioma

e) comunidade

2) (MOGI) Ao conjunto de indivíduos de diferentes espécies habitando determinada área dá-se o nome de:

a) ecossistema

b) comunidade

c) população

d) bioma

e) biosfera

3) Com relação aos conceitos de HABITAT e NICHO ECOLÓGICO, marque a opção correta relacionada abaixo:

a) cobra e gavião ocupam o mesmo habitat.

b) preá e cobra estão no mesmo nicho ecológico.

c) gavião, cobra e preá estão no mesmo nicho ecológico.

d) cobras neste mesmo local ocupam o mesmo nicho ecológico.

e) preás podem ocupar o mesmo habitat, mas têm nichos ecológicos diferentes.

4) O ambiente descrito, com inúmeros animais e vegetais, à beira de um charco de água doce que, durante o dia, sofre flutuações de temperatura, luminosidade, maior ou menor pH e até alterações de salinidade, poderá ser classificado como um exemplo de:

a) biosfera

b) biótipo

c) biomassa

d) ecótone

e) ecossistema

5) Suponha que em um terreno coberto de capim gordura vivem saúvas, gafanhotos, pardais, preás e ratos-do-campo. Nesta região estão presentes:

a) cinco populações.

b) seis populações.

c) duas comunidades.

d) seis comunidades.

e) dois ecossistemas.

6) Indivíduos de diversas espécies, que habitam determinada região, constituem:

a) um bioma.

b) uma sociedade.

c) uma população.

d) uma comunidade.

e) um ecossistema.

7) (UA-AM) A posição de uma espécie num ecossistema ao nível de desempenho funcional chama-se:

a) nicho ecológico            d) produtividade primária

b) habitat preferencial        e) territorialidade social

c) plasticidade ecológica

8) ( MED. SANTOS) Assinale a alternativa CORRETA:

a) Em Ecologia, a COMUNIDADE inclui grupos de indivíduos de uma mesma espécie de organismos.

b) Em Ecologia, a POPULAÇÃO inclui todos os indivíduos de uma mesma área, pertencentes ou não a várias espécies.

c) Em Ecologia, o ECOSSISTEMA é a porção da terra biologicamente habitada.

d) Em Ecologia, a BIOSFERA é o conjunto formado pela comunidade de indivíduos vivos e o meio ambiente inerente.

e) Nenhuma das anteriores.

9) (CESCEM) São ecossistemas todos os exemplos abaixo, EXCETO:

a) uma astronave.

b) uma lagoa.

c) um pasto.

d) uma colônia de corais.

e) o solo.

10) (MED. ABC) Suponha duas plantas pertencentes ao mesmo gênero e vivendo juntas na mesma área. A espécie A tem raízes que se desenvolvem logo abaixo da superfície e a espécie B tem raízes profundas. Sobre as duas plantas fazemos as seguintes afirmações:

I – A e B vivem no mesmo nicho ecológico.

II – A e B competem pela água.

III – A e B formam uma população.

Assinale:

a) Apenas I é correta.

b) Apenas II é correta.

c) Apenas III é correta.

d) I, II e III são corretas.

e) Nenhuma é correta.

11) (UERJ) Mergulhando em águas costeiras, encontramos em uma rocha algas, cracas, anêmonas, estrelas-do-mar e ouriços-do-mar. As algas produzem seu próprio alimento. As cracas ingerem, com água, seres microscópios que nela vivem. As anêmonas comem pequenos peixes que ficam presos entre seus tentáculos. As estrelas-do-mar prendem seus “braços” os moluscos contra a rocha e sugam o animal de dentro da rocha. Os ouriços do mar raspam a rocha com seus “dentes”, alimentando-se de detritos. Em função do que foi descrito, pode-se afirmar que as algas e os animais citados apresentam diferentes

a) nichos.

b) habitats.

c) mimetismos.

d) competições.

e) biomas.

12) (SANTA CASA) Os animais marinhos:

-que flutuam e são movidos passivamente pelos ventos, ondas e correntes;

-que nadam livremente por atividade própria;

-que são restritos ao fundo.

a) planctônicos, nectônicos e bentônicos.

b) planctônicos, bentônicos e nectônicos.

c) nectônicos, bentônicos e planctônicos.

d) nectônicos, planctônicos e bentônicos.

e) bentônicos, planctônicos e nectônicos.

Parte II: Cadeias alimentares

1) (UFF) Os principais produtores da cadeia biológica marinha são:

a) protozoários e copépodes;

b) medusas e corais;

c) diatomáceas e dinoflagelados;

d) organismos da fauna planctônica;

e) organismos da fauna bentônica.

2) (UFRJ) As espécies de capim que crescem nos campos da Austrália podem ser diferentes das que existem na América ou na África, mas todas têm a mesma função: são produtores dos ecossistemas de campo. Nos campos da Austrália vivem cangurus, nos da África há zebras e na América do Norte há bisões. Todos esses animais exercem em seus ecossistemas a função de:

a) consumidores primários

b) consumidores secundários

c) consumidores terciários

d) decompositores

e) parasitas

3) (CESGRANRIO)     No ecossistema a seguir esquematizado, estão representados, de 1 a 8, os componentes de uma comunidade biótica. Entre eles encontram-se: produtores, consumidores primários, secundários e consumidores terciários.

    No quadro abaixo, assinale a opção que classifica corretamente os componentes do ecossistema:

Produtores

Consumidores

primários

Consumidores

secundários

Consumidores

terciários

a)

1 e 5

2 e 8

3 e 4

6 e 7

b)

3 e 5

4 e 6

1 e 8

2 e 7

c)

4 e 5

1 e 6

3 e 7

2 e 8

d)

1 e 3

2 e 7

6 e 8

4 e 5

e)

1 e 5

4 e 6

3 e 7

2 e 8

4) Tendo em vista os conceitos de CADEIA e TEIA alimentar, bem como de POPULAÇÃO e COMUNIDADE, podemos afirmar que:

a) A preá, a cobra e o gavião representam uma população e um exemplo de uma cadeia alimentar.

b) O conjunto de preás da região formam uma população e os consumidores, entredevorando-se, formam uma teia alimentar.

c) Preás e cobras do charco formam uma população e, para as cobras, as preás são produtoras de alimento.

d) Preás, cobras e gaviões formam uma comunidade; as cobras são consumidores primários e os gaviões consumidores secundários.

e) O conceito de produtor está associado ao fornecimento de alimento e, de consumidor, àqueles que o utilizam.

5) Com referência à cadeia alimentar, marque a alternativa correta:

a) a energia contida no produtor diminui gradualmente, ao passar de consumidor a consumidor.

b) a energia do produtor aumenta gradualmente nos diferentes elementos da cadeia alimentar.

c) o potencial energético do produtor não sofre nenhuma alteração nos diferentes segmentos da cadeia alimentar.

d) na cadeia alimentar, como os animais são de tamanho diferentes , a quantidade energética do produtor sofre oscilações.

e) a complexidade da teia alimentar não interfere com a quantidade de energia transferida, que permanece inalterada.

6) (CESGRANRIO) Qual das alternativas a seguir responde corretamente a seguinte questão: “Que resultaria se desaparecesse do mar o fitoplâncton ?”

a) o equilíbrio ecológico desse ecossistema não sofreria alteração, visto que o fitoplâncton é constituído por seres apenas microscópios.

b) o zooplâncton ocuparia o seu lugar na cadeia alimentar, mantendo assim o equilíbrio ecológico do ecossistema.

c) a cadeia alimentar do ecossistema perderia o elo principal, pois do fitoplâncton depende praticamente toda a matéria orgânica necessária aos demais componentes bióticos.

d) o ecossistema não seria afetado visto que o plâncton é apenas um consumidor na cadeia alimentar.

e) o equilíbrio ecológico não seria alterado visto que nem todos os organismos marinhos se alimentam do fitoplâncton.

7) Com os elementos preá, capim, cobra, fungos e bactérias do solo, observe com atenção o diagrama a seguir. Não descuidando da direção das setas e a seqüência numérica, indique a alternativa correta na sucessão de eventos.

                         I

         V                             II

                         II

I

I

II

III

IV

a)

Produtor

Decompositor

Consumidor

primário

Consumidor

secundário

b)

Produtor

Consumidor

secundário

Decompositor

Consumidor

primário

c)

Produtor

Consumidor

primário

Consumidor

secundário

Decompositor

d)

Decompositor

Consumidor

primário

Consumidor

secundário

Produtor

e)

Decompositor

Produtor

Consumidor

primário

Consumidor

secundário

8) (UBERLÂNDIA) O aproveitamento das algas pelo homem torna-se cada vez mais acentuado. Em certos países asiáticos, as algas já fazem parte da dieta humana. Neste caso o homem comporta-se como:

a) consumidor primário.

b) consumidor secundário.

c) consumidor terciário.

d) produtor.

e) decompositor.

Parte III: Pirâmides Ecológicas

1) Considere a seguinte cadeia alimentar:

Árvore è
Herbívoros è
Parasitas dos herbívoros

Qual das seguintes pirâmides de números correspondente à cadeia considerada?

a)                        b)                    c)             d)                                e)

2) Com relação ao fluxo de energia em um ecossistema é correto dizer que:

a) a quantidade de energia que um nível trófico recebe é superior à que será transferida para o nível seguinte.

b) o fluxo de energia na cadeia alimentar é unidirecional.

c) a energia luminosa é captada pelos organismos heterótrofos.

d) em uma pirâmide de energia, a base é sempre ocupada pelos consumidores primários.

e) no ápice de uma pirâmide de energia estão colocados os produtores.

3) (S. CARLOS) Em um ecossistema, com a passagem de energia de um nível trófico para outro, ela:

a) permanece igual.

b) aumenta sempre.

c) diminui sempre.

d) é totalmente perdida.

e) é totalmente aproveitada.

4) (MED – MOGI) A rede alimentar numa comunidade foi caracterizada com a “pirâmide de números”, onde os animais:

a) na base são pequenos e abundantes e no topo são grandes e pouco numerosos.

b) na base são pequenos e pouco numerosos e no topo são grandes e abundantes.

c) na base são grandes e pouco numerosos e no topo são pequenos e abundantes.

d) na base são pequenos e abundantes e no topo são pequenos e pouco numerosos.

e) na base são pequenos e pouco numerosos e no topo são pequenos e abundantes.

5) (FUVEST) Um dos perigos da utilização de inseticidas clorados é que eles são muito estáveis e permanecem longo tempo nos ecossistemas. Em vista disso, dada a cadeia alimentar

capim        inseto            pássaro                  cobra             gavião

é de esperar que a maior concentração de DDT por quilo de organismo seja encontrada em:

a) cobra

b) gavião

c) pássaro

d) inseto

e) capim

6) (FCC) Em uma lagoa são lançados inseticidas organoclorados. Dos organismos abaixo, os que irão apresentar, após algum tempo, maior concentração desses inseticidas são:

a) os caramujos

b) as garças

c) os peixes

d) os fitoplanctontes

e) os microcrustáceos

7) (PUCRS) Sabese que a maioria dos tubarões são animais carnívoros e predadores. No entanto, há espécies de tubarões que se alimentam do plâncton, como, por exemplo, o chamado tubarãobaleia. A principal vantagem dessas espécies planctófagas sobre as outras é que para elas houve um:

a) alongamento da cadeia alimentar.

b) maior desenvolvimento do aparelho mastigador.

c) menor desenvolvimento do aparelho branquial.

d) encurtamento da cadeia alimentar.

e) processo mais lento de evolução.

8) (CesgranrioRJ) 0 equilíbrio biológico de uma comunidade depende da proporção existente entre produtores, consumidores e predadores. Assim, se:

a) o número de produtores e consumidores aumentar, o de predadores diminuirá,

b) o número de produtores diminuir, o de consumidores e predadores aumentará.

c) o número de consumidores diminuir, o de produtores aumentará e o de predadores diminuirá.

d) o número de predadores aumentar, o de produtores e consumidores aumentará.

e) o número de predadores aumentar, o de produtores e consumidores diminuirá.

9) (UFMT) Leia as afirmativas abaixo:

I. A energia introduzida no ecossistema sob a forma de luz é transformada, passando de organismo para organismo sob a forma de energia química,

lI. No fluxo energético, há perda de energia em cada elo da cadeia alimentar.

III. A transferência de energia na cadeia alimentar é unidirecional, tendo início pela ação dos decompositores.

IV. A energia química armazenada nos compostos orgânicos dos seus produtores é transferida para os demais componentes da cadeia e permanece estável.

Estão corretas as afirmativas:

a) I e II.

b) II e III.

c) III e IV.

d) I e III,

e) II e IV.

10) (UFSC) A pirâmide de números abaixo representada diz respeito à estrutura trófica de um determinado ecossisterna:

Assinale a seqüência correta de organismos que corresponde à seqüência crescente de algarismos romanos da pirâmide:

a) gramíneas, sapos, gafanhotos, gaviões, cobras.

b) gaviões, cobras, sapos, gafanhotos, gramíneas.

c) gaviões, gafanhotos, gramíneas, sapos, cobras.

d) gramíneas, gafanhotos, sapos, cobras, gaviões.

e) gramíneas, gafanhotos, gaviões, cobras, sapos.

11) (UAAM) Na base das chamadas pirâmides de energia estão os:

a) decompositores.                 d) consumidores secundários.

b) produtores                    e) consumidores terciários.

c) consumidores primários.

12) (FuvestSP) Cobras que se alimentam exclusivamente de roedores são consideradas:

a) produtores.

b) consumidores primários.

c) consumidores secundários.

d) consumidores terciários,

e) decompositores.

Parte IV: Dinâmica de Populações

1) (CESCEM) “Em dois hectares de terra, foram plantadas 3.600 mudas de eucalipto.” Qual das expressões abaixo apresenta um conceito relacionado com essa afirmação?

a) Sucessão ecológica.

b) Competição intra-específica.

c) Densidade de população.

d) Nicho ecológico.

e) Homeostase de populações.

2) (PUC-SP) O tucunaré, peixe trazido da Amazônia para as lagoas de captação das usinas estabelecidas ou em construção nos rios Paraná, Tietê e Grande, adaptou-se às condições locais e serviu como elemento de controle das populações de piranhas que ameaçavam proliferar nos reservatórios das usinas hidrelétricas de Minas Gerais e São Paulo. O mesmo tucunaré terá sua criação incrementada na barragem de Itaipu, afastando o perigo do domínio das águas do Rio Paraná por cardumes de piranhas. A relação tucunaré-piranha pode ser considerada como um método de controle utilizado pelo homem para:

a) aumento de taxa de mortalidade

b) competição intra-específica.

c) variação de nicho ecológico.

d) alteração cíclica da população.

e) controle biológico por predatismo.

3) (CESGRANRIO) O desaparecimento dos morcegos certamente levaria ao desestabelecimento de um número considerável de ecossistemas, já que esses animais apresentam comportamentos importantes para a garantia desses sistemas ecológicos.

Como exemplo desse tipo de comportamento dos morcegos só NÃO se pode citar:

a) dispersão de sementes

b) dispersão de pólens

c) predação de fungos

d) predação de insetos

e) disseminação de frutas

4) (CESGRANRIO) “O aumento populacional e a taxa com que ele está ocorrendo fazem temer que, cedo ou tarde, haverá falta de alimento”.

a) primário

b) secundário

c) onívoro

d) terciário

e) carnívoro

5) (FMU) Em uma comunidade biológica, consideremos:

I – PRODUTORES        II – HERBÍVOROS        III – CARNÍVOROS

É correto afirmar que:

a) se I e II aumentarem, III diminuirá.

b) se III aumentar, I e II diminuirão.

c) se II diminuir, I aumentará e III diminuirá.

d) se I diminuir, II e III aumentarão.

e) se III aumentar, I e II aumentarão.

6) (FCC) Considere uma cadeia alimentar constituída por fitoplâncton, peixes herbívoros e peixes carnívoros. Qual das alternativas indica corretamente o que acontece com as outras populações imediatamente após redução drástica dos peixes carnívoros?

FITOPLÂNCTON

PEIXES HERBÍVOROS

a)

crescimento

crescimento

b)

diminuição

nenhuma alteração

c)

crescimento

diminuição

d)

diminuição

crescimento

e)

nenhuma alteração

diminuição

7) (UFRN) Entre os fatores que determinam a diminuição da densidade de uma população, podemos citar:

a) mortalidade e longevidade.

b) imigração e emigração.

c) mortalidade e imigração.

d) imigração e natalidade.

e) emigração e mortalidade.

8) (FCCBA) Para calcular a densidade de uma população é necessário conhecer o número de indivíduos que a compõem e:

a) o espaço que ocupa.

b) a taxa de mortalidade.

c) a taxa de natalidade.

d) o número de indivíduos que migram.

e) o número de indivíduos de outras populações da mesma região.

9) (UCBA) Considere o gráfico abaixo, que representa o crescimento de uma população. Em qual dos períodos considerados a resistência do meio torna-se igual ao potencial biótico da população?

a) A.

b) B.

c) C.

d) D.

e) E.

10) (FGVSP) A tabela abaixo indica o que aconteceu com uma população cinco anos seguidos:

Ano

Nº de

nascimentos

Nº de

imigrações

Nº de

mortes

Nº de

emigrações

1

200

150

80

2

160

10

130

60

3

150

20

100

50

4

140

10

80

30

5

130

10

70

40

0 gráfico que representa a variação do número de indivíduos dessa população é:

11) (CesespPE) Leia com atenção as proposições abaixo:

I. Potencial biótico é a capacidade potencial que tem uma população de aumentar numericamente em condições ambientais favoráveis.

II. Os fatores que chamamos de resistência do ambiente impedem as populações de crescerem de acordo com seu potencial biótico.

III. A densidade de uma população independe das taxas de nascimento e mortes, assim como das taxas de emigração e imigração.

Marque:

a) se todas forem corretas;

b) se nenhuma for correta;

c) se apenas as proposições I e II forem corretas;

d) se apenas as proposições II e III forem corretas;

e) se apenas as proposições I e III forem corretas.

12) (Univ. FortalezaCE) A figura seguinte mostra a curva de crescimento de uma população:

Com base nela, fizeramse as seguintes afirmações:

I . Em A a natalidade e a imigração superam a mortalidade e a emigração.

lI. Em B a mortalidade e a emigração superam a natalidade e a imigração.

lIl. Em C a natalidade e a imigração equilibram a mortalidade e a emigração.

Dessas afirmações:

a) apenas I está correta.

b) apenas II está correta.

c) apenas III está correta.

d) apenas I e II estão corretas.

e) I, II e III estão corretas.

13) (Cesgranrio-RJ) O gráfico representa as densidades, ao longo do tempo, de duas populações que vivem em determinada área: uma população de coelhos e outra de gatosdomato. Os coelhos servem de alimento para os gatos–domato.

O exame desse gráfico proporcionou três interpretações:

I. A semelhança entre os ciclos das duas populações indica que ambos ocupam o mesmo nicho ecológico.

lI. A nãocoincidência dos ciclos das duas populações mostra que a densidade da população de coelhos não influencia a densidade da população de gatosdomato.

III. Oscilações de populações do tipo representado no gráfico são comuns na natureza, quando se trata de espécies em que uma serve de presa e a outra é a predadora.

Assinale:

a) se somente I for correta;

b) se somente III for correta;

c) se somente I e III forem corretas;

d) se I, II e III forem corretas;

e) se somente II e III forem corretas.

Parte V: Ciclos Biogeoquímicos

1) Nos ambientes aquáticos o ciclo do carbono pode ser esquematizado, simplificadamente, conforme mostra o esquema abaixo. Estude-o com atenção e assinale a opção que descreve a participação do plâncton na(s) etapa(s) A e B:

a) o zooplâncton participa das etapas A e B.

b) o fitoplâncton participa das etapas A e B.

c) o zooplâncton só participa da etapa B.

d) o fitoplâncton só participa da etapa B.

e) o fitoplâncton só participa da etapa A.

2) (CESGRANRIO) Apesar de quase 4/5 da atmosfera serem constituídos de nitrogênio, apenas alguns seres têm a capacidade de aproveitar o nitrogênio em forma elementar para o seu metabolismo.

Os seres com essa capacidade são classificados entre:

a) bactérias e algas cianofíceas;

b) bactérias e plantas verdes;

c) cianofíceas e protozoários;

d) fungos e protozoários

e) plantas verdes e fungos.

3) (CESGRANRIO) O diagrama a seguir representa etapas do ciclo do carbono num sistema terrestre.

H2O CO2 H2O

I Ecossistemas terrestres II

Compostos

O2 orgânicos O2

Examinando-o, pode-se dizer que:

a) os vegetais participam apenas da etapa II;

b) os animais participam apenas da etapa I;

c) os vegetais participam apenas da etapa I;

d) os animais participam das etapas I e II;

e) os vegetais participam das etapas I e II.

4) (UFRJ) Uma forma natural de aumentar a quantidade de nitrogênio, disponível no solo sob a forma de nitratos, é alterar o cultivo de plantas não leguminosas com leguminosas, pois as últimas apresentam, nas suas raízes, módulos com bactérias capazes de fixar o nitrogênio atmosférico. Estas bactérias são pertencentes ao grupo:

a) Rhizobium

b) Nitrosomonas

c) Nitrobacter

d) Nitrosococcus

e) Anabaena

5) Os agricultores costumam fazer rodízio de culturas, plantando durante certo tempo apenas leguminosas que enriquecem o solo com produtos nitrogenados. Feita a colheita, o agricultor passa plantar cereais (arroz, trigo, milho) que se beneficiam destes produtos nitrogenados. Quando estes começam a se esgotar, o agricultor volta a plantar leguminosas. Este procedimento é justificado porque as leguminosas:

a) transformam o nitrogênio do ar em nitratos.

b) fixam o nitrogênio do ar, utilizando-o para a síntese de aminoácidos.

c) são parasitadas por bactérias capazes de converter o nitrogênio do ar em amônia.

d) possuem, em suas raízes, fungos capazes de converter o nitrogênio do ar em amônia.

e) possuem, em suas raízes, nódulos formados por bactérias nitrificantes.

6) (PUC-SP) No ciclo do carbono, quais os processos metabólicos que ocorrem em 1 e 2 ?

Dióxidos de carbono

na atmosfera

1 2

animais vegetais

matéria orgânica

a) respiração em 1 e fotossíntese em 2

b) respiração em 1 e decomposição em 2

c) decomposição em 1 e respiração em 2

d) decomposição em 1 e fotossíntese em 2

e) fotossíntese em 1 e decomposição em 2

7) (FCC) Considere o seguinte diagrama:

A importância das bactérias denitrificantes decorre principalmente de sua ação em:

a) I

b) II

c) III

d) IV

e) V

8) (SÃO CARLOS) O plantio de leguminosas entre outras plantas de cultura e sua posterior incorporação ao solo é importante porque:

I – diminui a erosão do solo.

II- permite a fixação do nitrogênio do ar.

III- contribui com nutrientes para o solo.

Pode-se afirmar quanto às alternativas acima que:

a) II e III são corretas, mas I é incorreta.

b) I é correta, mas II e III incorretas.

c) As três são corretas.

d) As três são incorretas.

e) II é correta, mas I e III incorretas.

9) (PUCCSP) Observe o esquema abaixo e as afirmativas que se seguem:


I. Os elementos químicos, ao contrário da energia, não se perdem e são constantemente reciclados.

lI. Toda a energia captada pelos produtores volta para o meio físico sob a forma de calor, e como este não pode ser usado na fotossíntese, a energia segue em sentido único.

III. A biosfera é um sistema de relações entre os seres vivos e entre a matéria e a energia que os circundam.

Assinale a alternativa correta:

a) todas estão erradas.

b) I e II estão corretas.

c) II e III estão corretas.

d) I e III estão corretas.

e) todas estão corretas.

10) (UnirioRJ) As chamadas bactérias fixadoras das raízes de certas leguminosas são úteis à agricultura porque atuam sobre o solo, contribuindo para:

a) aumentar a acidez.

b) facilitar o arejamento.

c) revolver a terra.

d) enriquecêlo com sais nitrogenados.

e) eliminar o humo.

11) (FuvestSP) A associação de bactérias do gênero Rhizobium com raízes de plantas leguminosas possibilita a:

a) fixação de nitrogênio.

b) transformação de amônia em nitritos.

c) eliminação de gás carbônico.

d) eliminação de nitrogênio.

e) decomposição de tecidos mortos.

12) (FCC) Geralmente, os fazendeiros não usam adubos nitrogenados nos campos em que cultivam leguminosas porque estas:

a) não necessitam de nitrogênio para crescer.

b) associamse a bactérias nitrificantes.

c) fixam amônia do ar.

d) fixam nitratos do solo.

e) transformam nitritos em nitratos.

13) (FCMSCSP) Bactérias fixadoras de nitrogênio são encontradas em:

a) raizes de milho.

b) folhas de milho.

c) frutos de milho.

d) raízes de feijão.

e) folhas de feijão.

14) (FuvestSP) A figura abaixo é um esquema simplificado do ciclo do carbono na natureza:


Nesse esquema:

a) I representa os seres vivos em geral e II, somente os produtores.

b) I representa os consumidores e lI, os decompositores.

c) I representa os seres vivos em geral e II, apenas os consumidores.

d) I representa os produtores e lI, os decompositores.

e) I representa os consumidores e lI, os seres vivos em geral.

15) (F. ObjetivoSP) O desenho anexo representa, de maneira simplificada, o ciclo do nitirogênio:


As bactérias dos gêneros Nitrosomonas e Nitrobacter agem, respectivamente, em:

a) I e II.                 d) V e IV.

b) II e III.                 e) VI e VIl.

c) IV e III.

16) (UFES) É preocupação dos ecólogos o fato de que as calotas polares podem vir a sofrer um processo de descongelamento, em virtude de um aquecimento da atmosfera terrestre. Esse aquecimento, conseqüência de um desequilíbrio ecológico, decorre de:

a) depósitos de lixo atômico.

b) aumento da taxa de monóxido de carbono na atmosfera.

c) emanações de dióxido de enxofre para a atmosfera.

d) redução da taxa de oxigênio na atmosfera.

e) aumento da taxa de gás carbônico na atmosfera.

17) (UFMT) Baseandose no esquema a seguir, que é uma simplificação do ciclo do carbono, podese afirmar que A, B e C representam, respectivamente:


a) respiração, respiração e fotossíntese.

b) respiração, fotossíntese e respiração.

c) fotossíntese, respiração e respiração.

d) respiração, fotossíntese e fotossíntese.

e) respiração, fotossíntese e transpiração.

18) (UFRS) 0 processo vital presente nos ciclos do oxigênio, do carbono e da água é o de:

a) respiração.                 d) digestão.

b) transpiração.                e) sudação.

c) excreção.

Parte VI: Sucessão Ecológica

1) Suponhamos que o charco onde viva a preá e os outros seres vivos de nossa história, com o decorrer dos tempos, vá lentamente se modificando. O espelho d’água diminua, pela progressiva invasão de novas plantas, assoreamento e a instalação de plantas mais duradouras; pelo surgimento de novos animais e desaparecimento de outros. O cenário se modifica. Esse fenômeno denomina-se:

a) comunidade clímax.

b) comunidade em equilíbrio dinâmico.

c) comunidade em equilíbrio estático.

d) sucessão ecótona.

e) sucessão ecológica.

2) (CESGRANRIO) “Existiu, em uma determinada região, uma lagoa com água límpida contendo apenas plâncton. O acúmulo de matéria fornecida pelo plâncton permitiu que se formasse um fundo capaz de sustentar plantas imersas. Surgiram depois, alguns animais que começaram a povoar a lagoa, e o fundo acumulou detritos e nele se desenvolveram plantas emergentes. A lagoa ficou cada vez mais rasa. Surgiram os juncos nas margens, que foram “fechando” a lagoa. Ela se transformou num brejo, e a comunidade que o habitava já era bem diferente. Posteriormente, o terreno secou e surgiu um pasto que poderá ser substituído, no futuro, por uma floresta”.

    Este texto apresenta um exemplo de:

a) irradiação adaptativa

b) dispersão de espécies

c) sucessão ecológica

d) pioneirismo

e) domínio ecológico

3) (PUC-SP) Numa sucessão de comunidade ocorre:

a) constância de biomassa e de espécie.

b) diminuição de biomassa e menor diversificação de espécies.

c) diminuição de biomassa e maior diversificação de espécies.

d) aumento de biomassa e menor diversificação de espécies.

e) aumento de biomassa e maior diversificação de espécies.

4) (UFPA) Quando uma comunidade passa por mudanças gradativas, dando origem a outras mais complexas, tem-se:

a) um sucessão.

b) um ecótono.

c) uma comunidade clímax.

d) um nicho ecológico.

e) um bioma.

5) (FCMSCSP) Considere o seguinte processo: numa infusão, predominam primeiramente algas, em seguida ciliados e finalmente rotíferos. O processo considerado é um caso de:

a) cadeia alimentar.

b) teia alimentar.

c) sucessão.

d) metamorfose.

e). pirâmide de números.

6) (CesespPE) A zona limite entre duas comunidades é designada:

a) nicho ecológico.

b) comunidade clímax.

c) ecese.

d) potencial biótico.

e) ecótono.

7) (UFCE) Observe as frases abaixo, relativas às características de um ecossistema, à medida que a sucessão caminha para o clímax:

(1) A diversidade em espécies vai aumentando.

(2) Há um aumento nos nichos ecológicos, tornando a teia alimentar mais complexa.

(4) Há um aumento na biomassa total do ecossistema.

(8) O ecossistema tende a uma maior estabilidade ao se aproximar do clímax.

(16) Não há modificação do meio físico do ecossistema nos diferentes estágios da sucessão.

Dê, como resposta, a soma dos números das alternativas corretas.

a) 3                 d) 12

b) 4                 e) 15

c) 8

8) (UCMG) A sucessão, num ecossistema, pode ser descrita como uma evolução em direção:

a) ao aumento da produtividade líquida.

b) à diminuição da competição.

c) ao grande número de nichos ecológicos.

d) à redução do número de espécies.

e) à simplificação da teia alimentar.

9) (UMA) 0 gráfico abaixo registra as freqüências de populações de protozoários cultivados numa infusão de feno.


Esse gráfico exemplifica:

a) uma colônia.

b) uma associação.

c) uma sucessão.

d) uma migração.

e) um ecótone.

Parte VII: Simbioses

1) (PUC-SP) O tucunaré, peixe trazido da Amazônia para as lagoas de captação das usinas estabelecidas ou em construção nos rios Paraná, Tietê e Grande, adaptou-se às condições locais e serviu como elemento de controle das populações de piranhas que ameaçavam proliferar nos reservatórios das usinas hidrelétricas de Minas Gerais e São Paulo. O mesmo tucunaré terá sua criação incrementada na barragem de Itaipu, afastando o perigo do domínio das águas do Rio Paraná por cardumes de piranhas. A relação tucunaré-piranha pode ser considerada como um método de controle utilizado pelo homem para:

a) aumento de taxa de mortalidade

b) competição intra-específica.

c) variação de nicho ecológico.

d) alteração cíclica da população.

e) controle biológico por predatismo.

2) (UFSCAR-SP) A seguir estão descritas algumas relações entre seres vivos:

    I- a rêmora acompanha o tubarão de perto e fica presa a ele por uma ventosa. Ela aproveita os alimentos do tubarão e também a sua locomoção, mas não prejudica e nem beneficia o seu hospedeiro.

    II- a alimentação predominante do cupim é a madeira, que lhe fornece grande quantidade de celulose. Entretanto, ele não possui capacidade digeri-la. Quem se responsabiliza pela degradação da celulose é um protozoário que vive em seu intestino, de onde não precisa sair para procurar alimento.

    III- as ervas-de-passarinho instalam-se sobre outras plantas, retirando delas a seiva, que será utilizada para a fotossíntese.

    IV- nas caravelas existe uma união estreitas de indivíduo, cada um deles especializados em determinadas funções como digestão, reprodução e defesa.

    V- as orquídeas, vivendo sobre outras plantas, conseguem melhores condições luminosas, mas nada retiram dos tecidos internos destas plantas.

    Essas relações referem-se, respectivamente, a:

a) mutualismo, comensalismo, hemiparasitismo, colônia, parasitismo.

b) comensalismo, mutualismo, hemiparasitismo, colônia, epifitismo.

c) comensalismo, mutualismo, epifitismo, colônia, hemiparasitismo.

d) mutualismo, comensalismo, parasitismo, sociedade, epifitismo.

e) hemiparasitismo, mutualismo, parasitismo, colônia, epifitismo.

3) O quadro a seguir representa cinco casos de interação entre duas espécies diferentes, A e B:

Tipos de

interação

Espécies reunidas

A B

Espécies separadas

A B

I

0 0

0 0

II

– –

0 0

III

+ 0

0 0

IV

– 0

0 0

V

+ +

– –

Legendas

    0 = a espécie não é afetada em seu desenvolvimento

    + = o desenvolvimento da espécie é melhorado

    – = o desenvolvimento da espécie é reduzido ou torna-se impossível.

Os tipos de relação apresentados são respectivamente:

a) competição, mutualismo, neutralismo, parasitismo, comensalismo

b) neutralismo, competição, comensalismo, amensalismo, mutualismo

c) mutualismo, cooperação, neutralismo, comensalismo, predação

d) neutralismo, competição, cooperação, comensalismo, comensalismo

e) predação, mutualismo, neutralismo, simbiose, competição

4) (CESGRANRIO) Se duas espécies diferentes ocuparem num mesmo ecossistema o mesmo nicho ecológico, é provável que:

a) se estabeleça entre elas uma relação harmônica.

b) se estabeleça uma competição interespecífica.

c) se estabeleça uma competição intra-específica.

d) uma das espécies seja produtora e a outra, consumidora.

e) uma das espécies ocupe um nível trófico elevado.

5) A associação existente entre os ruminantes e as bactérias que vivem em seu estômago é um caso de :

a) mutualismo.

b) parasitismo.

c) comensalismo.

d) competição interespecífica.

e) competição intraespecífica.

6) Podem organizar-se em sociedades:

a) aranhas.

b) besouros.

c) gafanhotos.

d) traças.

e) vespas.

7) (UFRGS-RS) Enquanto as onças devoram a sua presa, os urubus esperam. Quais as relações ecológicas envolvidas nesta situação?

a) predador e parasita.                d) predador e decompositor

b) comensal e parasita.                e) predador e sapróvoro

c) parasita e sapróvoro.

8) (PUC) Quando o relacionamento entre dois seres vivos resulta em benefício para ambos os associados, dizemos que ocorre:

a) mutualismo.

b) comensalismo.

c) hiperparasitismo.

d) parasitismo.

e) inquilinismo.

9) (CESGRANRIO) No combate às larvas dos anofelinos ( mosquitos transmissores da malária), foi utilizado, com eficiência, um pequeno peixe larvófago (Gambusia affinis). A utilização deste animal, na área de saneamento para o controle dessa parasitose, foi bem sucedida em regiões infestadas pelo Anopheles, e onde era grande a incidência da malária.

O método citado, não poluente, substitui o clássico processo de deposição de óleo em superfície da água, que mata as larvas por asfixia.

A ação do peixe Gambusia affinis em relação aos anofelinos é um exemplo de:

a) predatismo.                     d) simbiose.

b) parasitismo.                     e) amensalismo.

c) comensalismo.

10) (SANTA CASA) Observando-se cuidadosamente o trecho abaixo:

    “I é um celenterado (hidra) que vive sobre a concha vazia do molusco II, agora ocupada por um crustáceo III ( sem carapaça) e IV é um peixe carnívoro. I consegue alimento mais facilmente que quando fixado sobre uma rocha; por sua vez, III lucra, podendo alimentar-se dos restos de I além de defender-se de IV que se alimenta de III mas evita aproximar-se devido à presença de I, que ele teme”.

Está certo dizer que há uma relação ecológica de :

a) Comensalismo entre I e III.

b) Protocooperação entre I e III.

c) Predação entre I e IV.

d) Mutualismo entre II e III.

e) Há duas respostas corretas.

GABARITO

Parte I – Introdução à Ecologia

1- B

2- B

3- A

4- E

5- B

6- D

7- A

8- E

9- D

10- B

11- A

12- A

Parte II – Cadeias Alimentares

1- C

2- A

3- E

4- E

5- A

6- C

7- E

8- A

Parte III – Pirâmides Ecológicas

1- B

2- A

3- C

4- A

5- B

6- B

7- D

8- C

9- A

10- D

11- B

12- C

Parte IV – Dinâmica de Populações

1- C

2- E

3- C

4- A

5- C

6- D

7- E

8- A

9- E

10- E

11- C

12- E

13- B

Parte V – Ciclos Biogeoquímicos

1- B

2- A

3- E

4- A

5- C

6- A

7- D

8- C

9- D

10- D

11- A

12- B

13- D

14- A

15- C

16- E

17- B

18- A

Parte VI – Sucessão Ecológica

1- E

2- C

3- E

4- A

5- C

6- E

7- E

8- C

9- C

Parte VII – Simbioses

1- E

2- B

3- B

4- B

5- A

6- E

7- E

8- A

9- A

10- B

Aulas em Vídeos

exercícios 1º ano

Ecologia – Exercícios

 

01. Distinguimos em ecologia três grandes subdivisões: a auto-ecologia, a sinecologia e a demoecologia. Qual é o objeto de estudo de cada uma delas?

02. Quais são os níveis de organização especificamente estudados em ecologia?

03. Defina os seguintes termos:

a) População
b) Comunidade

04. Qual é conceito de ecossistema?

05. Os diversos níveis de organização biológica são:

(1)   ecossistema
(2)   célula
(3)   indivíduo
(4)   sistema
(5)   tecido
(6)   comunidade
(7)   órgão
(8)   população

A seqüência correta é:

a) 2 – 5 – 7 – 4 – 3 – 8 – 6 – 1
b) 2 – 5 – 7 – 4 – 8 – 3 – 1 – 6
c) 2 – 5 – 7 – 4 – 3 – 6 – 8 – 1
d) 5 – 7 – 2 – 4 – 3 – 6 – 8 – 1
e) 7 – 5 – 6 – 3 – 4 – 8 – 1 – 2


06.
Qual dos termos abaixo refere-se aos fatores bióticos e abióticos que interagem em determinada área?

a) comunidade
b) ecossistema
c) nicho ecológico
d) população
e) habitat

07. Relacione a 2ª coluna de acordo com a 1ª e indique a seqüência correta:

1ª COLUNA     

(1) População
(2) Comunidade
(3) Biosfera
(4) Ecossistema

2ª COLUNA

(     ) Comunidade associada às condições físicas e químicas de uma região geográfica.
(     ) Populações existentes numa determinada área.
(     ) Grupos de indivíduos de uma determinada espécie ocupando determinada área.
(     ) Ambiente habitável pelos seres vivos.

a) 4 – 2 – 3 – 1
b) 3 – 2 – 4 – 1
c) 4 – 2 – 1 – 3
d) 4 – 3 – 1 – 2

08. Quando relacionamos o meio abiótico estamos estudando:

a) um ecossistema
b) uma população
c) uma comunidade
d) um nicho ecológico
e) um habitat

09. (CESGRANRIO) Um ecossistema tanto terrestre como aquático se define:

a) exclusivamente por todas as associações de seres vivos;
b) pelos fatores ambientais, especialmente climáticos;
c) pela interação de todos os seres vivos;
d) pela interação dos fatores físicos  e químicos;
e) pela interação dos fatores abióticos e bióticos.

10. O conjunto de seres vivos que habita uma determinada região constitui:

a) sua população
b) sua comunidade
c) seu ecossistema
d) seu habitat
e) seu biótopo

Resolução:

01. Auto-ecologia: estuda as relações de uma única espécie com seu meio.
Sinecologia: estuda as relações entre as diversas espécies e seu meio.
Demoecologia: estudo das populações.

02. População, comunidade, ecossistema e biosfera.

03. a) Organismo da mesma espécie, no mesmo espaço e na mesma unidade de tempo.
b) Populações independentes.

04. Biótico + biocenose.

05. A 06. B 07. C
08. A 09. E 10. B

Livro em PDF

Aulas em PowerPoint

Vídeos da Natureza

Introdução ao Estudo de Ecologia

Fundamentos da Ecologia

O que é Ecologia?

É a parte da Biologia que estuda as relações dos seres vivos entre si e com o ambiente, ou seja, é a investigação de todas as relações entre o animal e seu ambiente orgânico e inorgânico, incluindo suas relações, amistosas ou não, com as plantas e animais que tenham com ele contato direto ou indireto, numa palavra, ecologia é o estudo das complexas inter-relações, chamadas por Darwin de condições da luta pela vida”. Foi assim que Ernest Haeckel, em 1870, definiu ecologia.

Conceitos  Básicos:

Espécie:São indivíduos morfologicamente semelhantes entre si e que são capazes de se cruzar e gerar descendentes férteis. Desta forma, fica claro que, a menos que haja a intervenção humana, como no caso do jumento e da égua, naturalmente não ocorre reprodução entre indivíduos de espécies diferentes.

Fig.1 espécies animais

População: São indivíduos da mesma espécie presentes em uma mesma área.

fig. 2 População

Comunidade:São indivíduos de diferentes espécies presentes em uma área, sejam elas de microorganismos, animais ou vegetais existentes em uma determinada área, constituem uma comunidade; também se pode utilizar o conceito de comunidade para designar grupos com uma maior afinidade separadamente, como por exemplo, comunidade vegetal, animal, etc.

fig. 3 Ex. Comunidade

Fatores Abióticos :São elementos presentes na natureza que não possuem ou possuíram vida, a todos os componentes vivos de um determinado local chamamos bióticos; em contrapartida, o conjunto formado por regime de chuvas, temperatura, luz, umidade, minerais do solo enfim, toda a parte não viva, é chamada de componentes abióticos.

Ecossistema:Relação que ocorre entre a comunidade (fatores bióticos) e os fatores abióticos, em um determinado local, seja uma vegetação de cerrado, mata ciliar, caatinga, mata atlântica ou floresta amazônica, a todas as relações dos organismos entre si, e com seu meio ambiente, ou dito de outra forma, a todas as relações entre os fatores bióticos e abióticos em uma determinada área, chamamos ecossistema.

Podem ser pequenos (cavidade bucal) ou enormes (floresta amazônica).

Fig. 4 Ex. Ecossitema terrestre (Cerrado)                         Fig. 5 Ex. Ecossitema aquático.

Biosfera: A terra é composta por vários ecossistemas sejam eles aquáticos, terrestres ou até mesmo aéreos. A soma de todos estes ecossistemas chamamos de biosfera. Portanto, a biosfera seria a parte na qual ocorre vida no planeta e na qual a vida tem o poder de ação sobre o mesmo.

Fig. 6 Ex. Biosfera

Habitat: “Endereço” do indivíduo, local onde sempre podemos encontrar certa espécie.

Ex.: Lombriga -> intestino de crianças.

Fig. 7 Ex. parasitos intestinais                                                 Fig. 8 Ex. de endoparasitos

Escorpião: locais desertos e cheios de pedras, entre outros.

Nicho Ecológico: Papel que o indivíduo desempenha na natureza. É a  “Profissão” do indivíduo.

Ex.: Leão “Predador

Fig. 9 ex. predador

Relações Ecológicas

Os seres vivos de diferentes espécies, além de interagirem com o meio abiótico em que vivem, também se interagem com os outros seres vivos presentes num mesmo local. Essa interação entre os seres vivos é chamada de relação ecológica.

Relações Harmónicas: São aquelas em que um dos organismos pode ser beneficiado sem é claro o prejuízo do outro. Ocorre quando não há disputa entre as espécies.

Estas relações podem ser de duas formas: intra-específicas (ocorre dentro da mesma espécie) e interespecífica ( ocorre em espécies diferentes).

Harmónicas intra-específicas: Este tipo de relação pode ser por colônia ou por sociedade.

Colónia: Associações entre indivíduos da mesma espécie, que formam um conjunto funcional integrado, onde todos os indivíduos estão unidos anatomicamente.

Ex: algas, bactérias, caravelas.

Fig. 10 Ex. Colonia de Bactérias                       Fig. 11 Ex. Colonia de algas

Fig. 12 Ex. de Água-viva

Sociedade

Grupos de organismos de mesma espécie, onde pode ser observardo uma nítida divisão de trabalho. Os indivíduos são unidos anatomicamente e apresentam diferenças morfológicas nítidas.

Ex.: formigas, abelhas, vespas, cupins

Fig. 13 Ex. sociedade formigas                                    Fig. 14 Ex. sociedade abelhas

Harmónicas interespecíficas:

Protocooperaçào

Traz benefícios para ambas as espécies e é uma relação não obrigatória.

Ex.: caranguejo e anémona, gado e anu,

Fig. 15 Ex. anu e o gado

Mutualismo:

Traz benefícios para ambas as espécies, porém é uma relação obrigatória, caso os indivíduos sejam separados, ambos morrem.

Ex.: líquens, micorrizas, ruminantes e bactérias que degradam celulose.

Fig. 16 Ex. Micorrizas

Comensalismo (típico, inquilinismo e epifitismo):

Apenas um dos indivíduos se beneficia e o outro nem se prejudica, nem se beneficia. O comensalismo é dividido em:

  • Comensalismo típico: quando uma espécie se alimenta dos restos alimentares deixados por um indivíduo de outra espécie.

Ex.: leão e hiena

  • Inquilinismo (epifitismo): quando uma espécie usa outra como moradia.

Ex.: bromélias, orquídeas e “plantas suporte”.

Fig. 17 orquídeas                                            Fig. 18 Bromélia servindo de moradia para sapo.

  • Forésia: quando uma espécie usa outra como meio de transporte.

Ex.: rêmora e tubarão.

Fig. 19. Rêmora fixada no tubarão

Relações Desarmônicas

Competição e o princípio de Gause

Segundo essa premissa, que ficou conhecida como princípio de Gause, ou princípio da exclusão competitiva, os nichos ecológicos são mutuamente exclusivos e a coexistência de duas ou mais espécies em um mesmo habitat requer que seus nichos sejam suficientemente diferentes, se não duas ou mais espécies ocuparem exatamente o mesmo nicho ecológico, a competição entre elas será tãosevera que não poderão conviver.

Fig. 20 – gráfico mostrando princípio de Gause

Competição intra-específica

Indivíduos de mesma espécie precisam dos mesmos recursos (água. alimento, território,acasalamento) do meio. Isso gera uma competição intra-específica.

Fig. 21 Ex. competição intra-específica

Competição Interespecífíca

Indivíduos de espécies diferentes precisam dos mesmos recursos (água, alimento,território) do meio. Isso gera uma competição interespecífica.

Ex.: duas espécies de pássaros que usem o mesmo tipo de local para fazer seus ninhos competem no aspecto reprodutivo.

Fig. 22 Ex. Competição interespecífica

Predatismo

Quando um indivíduo de uma espécie mata e se alimenta de um indivíduo de outra espécie.

  • Predador: quem mata para se alimentar
  • Presa: que morre

Fig. 23 Ex. Predatismo

Canibalismo

Quando um indivíduo de uma espécie mata e se alimenta de um indivíduo da mesma espécie.

• Ex.: viúva negra.

Fig. 24 Ex. Canibalismo

Parasitismo

Quando um indivíduo de uma espécie se alimenta de um indivíduo de outra espécie sem matá-lo (pelo menos essa não é sua intenção, uma vez que se o hospedeiro morre o parasita geralmente morre também.

  • Parasita: quem se alimenta
  • Hospedeiro: quem serve de alimento

Ectoparasitas:

Vivem na superfície externa do corpo do hospedeiro.

Ex.: piolhos, carrapatos.

Fig. 25 Ex de Ectoparasita – Carrapatos parasitando um  cão

Endoparasitas:

Vivem no interior do hospedeiro.

Ex.: lombriga, solitária

Fig. 26 Ex endoparasita

Amensalismo

Os indivíduos de uma espécie eliminam para o meio substancias que prejudicam o crescimento ou a reprodução de outras espécies do habitat.

Ex.: alguns fungos eliminam substâncias (antibióticos) que matam bactérias. O eucalipto libera pelas raízes substâncias que impedem a germinação de sementes ao redor.

Cadeias alimentares

Conceito:

É definida como uma série linear de organismos pela qual flui a energia originalmente captada pelos seres autótrofos fotossintetizantes e quimiossintetizantes. Cada elo da cadeia, representado por um organismo, alimenta-se do organismo que o sucede.

Cadeias Alimentares:  Uma cadeia alimentar geralmente apresenta três ou quatro elos, sendo raros os casos de mais de seis elos. O primeiro será sempre um produtor (autótrofos). Os demais são denominados consumidores (primário, secundário, terciário). E o último são os decompositores (fungos e bactérias).

Fig. 27 Ex. Cadeia alimentar

Teias alimentares

São diversas cadeias interligadas por meio de linhas, que unem os diversos componentes da comunidade entre si, evidenciando suas relações alimentares.

Fig.28 Ex. Teia alimentar

Níveis  Tróficos:

Numa cadeia alimentar, cada ser vivo ocupa uma posição, de acordo com o alimento que ingere, designada por nível trófico. O primeiro nível trófico é sempre ocupada pelos produtores. Os consumidores primários ou consumidores de 1ª ordem são por exemplo: o coelho. Já o segundo nível trófico é composto pelos consumidores de 2ª ordem que são por exemplo: as raposas, que se alimentam dos consumidores primários. E os consumidores secundários podem servir de alimento a consumidores de 3ª ordem, ocupando o 4º nível trófico e assim sucessivamente.

Fig. 28 Ex. níveis tróficos

Fluxo de Energia:

O sol é responsável pela existência da vida na terra porque as suas radiações aquecem o solo, a água e o ar criando condições favoráveis à vida.  A luz solar também é captada pelas algas e plantas que a utilizam na fotossíntese, assim abastecendo de energia todos os ecossistemas terrestres. As plantas e algas convertem a energia luminosa em energia química que fica armazenada nas moléculas orgânicas. Os consumidores primários ao comerem seres fotossintetizantesaproveitam a energia contida nas moléculas orgânicas.Os consumidores secundários que comem os primários recebem das moléculas ingeridas toda a energia, tornando atransferência de energia na cadeia alimentar unidirecional e acíclica. Parte da energia recebida por cada nível trófico é usada no metabolismo, mas uma grande parte é inaproveitada porque é eliminada na matéria orgânica que forma as fezes ou naquela que não é facilmente digerida, como a celulose. Estudando fluxos de energia é importante perceber que necessariamente toda a energia de todos os seres vivos é primordialmente vinda do sol, sendo este então o grande responsável pela existência de vida na terra.

Fig. 29 Ex Fuxo de energia

Pirâmides

Pirâmides são formas de demonstrar através de gráficos a hierarquia de cadeias.

  • Biomassa: corresponde a matéria orgânica de cada nível trófico (sua pirâmide é igual à de energia já que a energia está na biomassa, assim quanto maior a biomassa, maior aenergia).
  • Energia: corresponde à energia contida na biomassa de cada nível trófico, assim cada parte da pirâmide terá indicada a energia de um nível trófico.
  • Números: as larguras dos níveis representam o número de representantes de cada espécie naquela cadeia alimentar; é a mais variada, veja nos exemplos abaixo:

Fig. 30 Ex. Pirâmides

Produtividade

  • PPL (Produtividade Primária Líquida): é toda a energia que os produtores armazenam a partir da fotossíntese (PPB) menos o que eles gastam na respiração (R), assim a PPL é o que o consumidor primário vai ter disponível do produtor.
  • PSL (Produtividade Secundária Líquida): é a energia que o consumidor primário conseguiu retirar dos produtores(PPL) menos o que ele gastou no metabolismo (M): sendo assim o que estará disponível para os consumidores secundários.

Fig 31 Ex. PPL e PSL.

Ciclos Biogeoquímicos

Fig. 32 Ciclo da água

Ciclo do Carbono

Fig. 33 Ex. ciclo do carbono

Ciclo do Nitrogênio

Fig. 34 Ex. ciclo Nitrogênio

Bibliografia

  • SILVA  Junior; César da, 1934. Biologia-volume 3- 3ª série- genética, evolução e ecologia/ César d Silva Júnior, Sezar Sasson. 7ª ed. São Paulo: Saraiva, 2005. 480p.
  • AMABIS, José Mariano; MARTHO, Gilberto Rodrigues. Biologia das Populações: Genética, Evolução e Ecologia. V. 3. 2ª ed. Ed. Moderna., 1994. 438p.
  • LOPES, Sônia. Biologia-volume único/ Sônia Lopes, Sergio Rosso. 1ª.ed. São Paulo: Saraiva. 2005. 608p.
  • RICKLEFS, R.E., 2003. A Economia da Natureza. 3ª Edição. Editora Guanabara Koogan.435p.


Evolução

Evolucionismo

Segundo essa teoria, nós (e todos os seres vivos) teriam surgido das modificações genéticas que ocorrem com o passar das eras, determinando características novas à medida que as gerações se sucedem.

Lamarckismo

  • Lei do uso e desuso – Quanto mais uma parte do corpo é usada, mais se desenvolve do contrário, atrofiaria;
  • Lei da herança de caracteres adquiridos -  O que o ser vivo adquire, é transmitido de geração em geração.

Na teoria de Lamarck, o ambiente tinha um papel secundário: ele não explicava o aumento da complexidade dos seres vivos. O ambiente forçaria os seres vivos a modificar seus hábitos, devido às necessidades de sobrevivência, e essa mudança de hábitos resultaria em uma alteração dos padrões de uso e desuso dos órgãos, de modo que estruturas poderiam ser desenvolvidas ou atrofiadas.

DARWIN

No seu livro “A Origem das Espécies“, publicado em 1859. Charles Darwin explicou a evolução por meio da seleção natural.

Segundo Darwin, todos os seres vivos apresentam uma elevada capacidade reprodutiva. E está capacidade reprodutiva é importante para o sucesso e a  perpertuação da espécie. Contudo, verifica-se que o número de indivíduos de uma mesma espécie permanece constante, o que pode ser explicado pela grande mortalidade, que por sua vez decorre da falta de alimentos, pois o suprimento alimentar, para qualquer população não é ilimitado. A falta de meios de subsistência, gera competição, podendo ser uma competição intra-específica (dentro da mesma espécie), por água, alimento, moradia, parceiras, ou uma competição interespecífica (ocorre em espécies diferentes), por água, moradia, alimento. Em todas as espécies os indivíduos nunca são iguais, exibindo variações que podem ser herdadas. Em um determinado ambiente, os indivíduos dotados de variações favoráveis, estarão mais capacitados a sobreviver, do que os que já possuem variações desfavoráveis. As favoráveis são transmitidas, e acumulando-se ao longo do tempo, dando origem a grandes diferenças.

Neodarwinismo ou teoria moderna da evolução ou teoria sintética da evolução

Pontos básicos da teoria moderna:

a) As variações de uma espécie dependem de mutações.

b) As mutações ocorrem ao acaso.

c) A luta pela vida dá-se entre os indivíduos e o meio ambiente.

d) Da luta pela vida, resulta a seleção natural dos mais aptos ou adaptados àscondições do meio.

e) O isolamento geográfico ou sexual impede que as características do tiponovo misturem-se com as características do tipo primitivo.

Provas da Evolução

  • Homologia: mesma origem embriológica de estruturas de diferentes organismos, sendo que essas estruturas podem ter ou não a mesma função. As estruturas homólogas sugerem ancestralidade comum.
  • Provas embriológicas: Comparando embriões de diversas espécies, observamos uma grande semelhança nos primeiros estágios do desenvolvimento embrionário.

  • Órgãos vestigiais – São considerados órgãos vestigiais ou rudimentares aqueles que estão em via de desaparecer, pois perderam a importância inicial para a sobrevivência da espécie.

Os fósseis são prova da evolução

ANATOMIA COMPARADA

É a ciência que baseiam-se no grupo de semelhança dos caracteres morfológicos.

Adaptações evolutivas

São transformações involuntárias em uma espécie, que resultam numa melhor adequação morfológica, fisiológica,etc., para sobreviver numa dada região.

Adaptação convergente

Ocorre em espécies diferentes, não aparentadas, que evoluem para viver numa mesma região. Desta forma, podem sofrer adaptações muito semelhantes que as tornam, de certa forma parecidas.

Analogia

Órgãos análogos, são estruturas que apareceram de forma independente em diferentes grupos de organismos. Exemplo de Convergência evolutiva” . São consideradas análogas quando elas possuem a mesma função mas não são relacionadas evolutivamente.

Homologia

Comparação entre os esqueletos dos membros anteriores de alguns vertebrados, onde os órgãos homólogos possuem a mesma origem embrionária, Exemplo de Divergência evolutiva.

Adaptação divergente ou Irradiação adaptativa

As adaptações divergentes são processos realizados por espécies próximas que vivem em meios ambientes diferentes, o que leva à formação de formas extremamente distintas.

Especiacão

  1. Uma população A vive em um ambiente homogéneo.
  2. Uma modificação ambiental provoca a migração da população para ambientes diferentes. Assim, a população A divide-se em A1 e A2, que migram para ambientes diferentes.
  3. Isoladas geograficamente e submetidas a pressões seletivas diferentes, tais populações passam a constituir raças geográficas ou subespécies.
  4. Com o passar do tempo, aumenta a diferenciação genética entre A1 e A2,provocando isolamento reprodutivo.
  5. As raças A1 e A2 voltam a se reunir na mesma região, mas, devido ao isolamento reprodutivo, elas não se misturam. A1 e A2 são reconhecidascomo espécies distintas.

A formação das novas espécies

Isolamento geográfico:

A separação física de subpopulações de uma espécie. As barreiras que isolam as subpopulações podem ser o rio que corta uma planície, um vale que divida dois planaltos ou um braço de mar que separe ilhas e continentes.

Diversificação gênica

É a progressiva diferenciação do conjunto gênico de subpopulações isoladas. A diversificação gênica é provocada por dois fatores: pelas mutações, que introduzem alelos diferentes em cada uma das subpopulações isoladas e pela seleção natural, que pode preservar conjuntos de genes em uma das subpopulações e eliminar conjuntos similares em outra que vive em ambiente diverso.

Isolamento reprodutivo

Resulta da incapacidade, total ou parcial, de membros de duas subpopulações se cruzarem, produzindo descendência fértil. Em geral, depois de um longo período de isolamento geográfico, as subpopulações se diferenciam tanto que perdem a capacidade de cruzamento entre si, tornando-se reprodutivamente isoladas.

Mecanismos de isolamento reprodutivo

  1. Pré-zigóticos:  Impedem o contato sexual entre as espécies, logo não há união de gametas.
  2. Habitacional:  Espécies localizam-se em habitais diferentes.
  3. Sazonal:  Espécies possuem períodos reprodutivos em diferentes estações do ano.
  4. Etológico: Diferenças de comportamento impedem os rituais de acasalamento.
  5. Mecânico: Diferenças estruturais nos órgãos reprodutores impedem afecundação.
  6. Pós-zigóticos: O zigoto é formado, mas os híbridos perdem ou reduzem a fertilidade ou viabilidade de seus descendentes.
  7. Inviabilidade do híbrido: O híbrido é abortado ou nasce com anomalias e morre.
  8. Esterilidade do híbrido: O híbrido nasce estéril.

Bibliografia consultada:

  • SILVA  Junior; César da, 1934. Biologia-volume 3- 3ª série- genética, evolução e ecologia/ César d Silva Júnior, Sezar Sasson. 7ª ed. São Paulo: Saraiva, 2005. 480p.
  • AMABIS, José Mariano; MARTHO, Gilberto Rodrigues. Biologia das Populações: Genética, Evolução e Ecologia. V. 3. 2ª ed. Ed. Moderna., 1994. 438p.
  • LOPES, Sônia. Biologia-volume único/ Sônia Lopes, Sergio Rosso. 1ª.ed. São Paulo: Saraiva. 2005. 608p.

O núcleo

O núcleo interfásico e a síntese protéica

·         O núcleo celular foi descoberto em 1833, pelo pesquisador escocês Robert Brow, como uma estrutura presente nas células eucarióticas.

·         A presença do núcleo é a principal característica da célula eucarionte.

·         O núcleo interfásico tem alta atividade metabólica.

·         As células podem apresentar um (mononucleadas), dois (binucleadas) e até vários núcleos (multinucleadas), ou ainda não possuir núcleo (anucleadas).

·         A forma do núcleo geralmente acompanha a forma da célula.

·         O envoltório nuclear é constituído por duas membranas e um número variável de poros que controlam o trânsito de moléculas.

·         A unidade básica da cromatina é o nucleossomo, constituído por DNA e proteínas histônicas.

·         O núcleo é o local de síntese do RNA ribossômico e de montagem das subunidades ribossômicas.

·         Os cromossomos são resultantes da compactação da cromatina.

Formação do núcleo

  • Envoltório nuclear, cromatina, nucléolo e nucleoplasma.

Carioteca

       A carioteca separa o material nuclear do citoplasma.

       É formada por duas membranas lipoprotéicas, cada uma delas com organização estrutural semelhantes à das demais membranas celulares.

       o envoltório nuclear tem uma estrutura complexa, sendo constituído por duas unidades de membrana.

       Essas membranas, são separadas entre si por um espaço denominado Cisterna perinuclear ou espaço perinuclear.

       A carioteca apresenta “poros” ou annuli, delimitando espaços através dos quais ocorrem trocas de substâncias entre núcleo e citoplasma.

       Em cada poro há um complexo de proteínas que regula a entrada e a saída de substâncias, de modo que há controle sobre o que entra e o que sai do núcleo.

       O termo deriva do grego chroma, que significa cor, pois os cientistas verificaram que o núcleo se tinge com determinados  tipos de corantes básicos.

       No interior do núcleo interfásico, cada cromossomo, que é constituído por DNA associado a proteínas básicas (histonas), tem aspecto de fio e forma a cromatina.

       A cromatina é formada por uma massa com vários fios muitos longos e finos não individualizados.

       Quando a célula entra em divisão, ocorre a condensação da cromatina, isto é, os fios sofrem espiralização, tornando-se mais curtos e espessos.

       Observando cortes corados de núcleo interfásico ao microscópio, verifica-se dois tipos básicos de cromatina: Heterocromatina e eucromatina.

       Heterocromatina: são as regiões mais coradas da cromatina, pois os filamentos estão mais condensados.

  • Eucromatina: são as regiões da cromatina menos coradas, pois os filamentos não estão  condensados  e correspondem aos locais onde os genes estão ativos.

Nucleoplasma

       O nucleoplasma é um material amorfo que preenche o espaço nuclear entre a croma­tina e os núcleos.

       Nucleoplasma: é constituído de substâncias (íons, vários tipos de enzimas, moléculas de ATP) dissolvidas em água; nele estão imersos os filamentos de cromatina e o nucléolo.

       É constituído por uma solução aquosa de proteínas, RNAs, nucleosídeos, nucleotídeos e íons, onde estão mergulhados os nucléolos e a cromatina.

       A maioria das proteínas presentes no nucleoplasma são enzimas envolvidas com a transcrição e com a duplicação do DNA, como as DNA-polimerases, RNA-polimerases, topoisomerases, helicases, entre outras.

Nucléolo

       Os nucléolos são estruturas esféricas e não envolvidos por membrana.

       Eles são facilmente vistos ao microscópio de luz, graças ao seu tamanho, que pode variar de 1 até 7 Mm, de acordo com o tipo de estado funcional da célula.

       O tamanho dos nucléolos está, em geral, relacionado com a intensidade da síntese protéica que ocorre no citoplasma.

       É uma região de intensa síntese de um tipo de ácido nucléico denominado ácido ribonucléico ribossômico (RNAr).

       A síntese (RNAr), ocorre em regiões organizadoras do nucléolo, onde existem os genes para síntese de RNAr.

       Assim que ocorre a síntese RNAr, ele se associa-se a proteínas, formando grãos de ribonucleoproteínas, que comporão os ribossomos.

       Esses grãos depois de algum tempo saem do núcleo em direção ao citoplasma, passando através dos poros da carioteca.

       Assim formando a Subunidade menor e a Subunidade maior do ribossomo.

Cromossomos, Genes e DNA

       Os cromossomos dos eucariotos são formados por DNA e proteínas.

       Cada gene comanda a síntese de determinada proteína ou polipeptídeo e que desse processo participam moléculas de RNA.

       Na síntese de determinada proteína, um gene é transcrito em moléculas de RNA que vão ser traduzidas em moléculas de proteínas no citoplasma.

       Cada molécula de DNA é formada por vários nucleotídeos.

       Cada nucleotídeo possui uma molécula de ácido fosfórico (P), uma molécula do açúcar desoxirribose (D) e uma molécula de base nitrogenada.

       Um nucleotídeo difere do outro apenas pela base nitrogenada, que pode ser adenina (A), guanina (G), citosina (C) ou timina (T).

A descoberta de Watson e Crick

  • Em 1953, James Watson e Francis Crick apresentaram um modelo compatível com os resultados experimentais que haviam sido obtidos até o momento.
  • Segundo o modelo proposto por Watson e Crick, a molécula de DNA é constituída por duas cadeias polinucleotídicas dispostas em hélice ao redor de um eixo imaginário, girando para a direita (uma hélice dupla).
  • As duas cadeias polinucleotídicas mantém-se unidas por pontes de hidrogênio, que se estabelecem entre pares de bases específicos: adenina com timina e citosina com guanina.
  • As duas cadeias que constituem um segmento de DNA, são complementares entre si: onde em uma cadeia existir uma timina, na outra existirá uma adenina, e onde em uma existir uma guanina, na outra existirá uma citosina.
  • O modelo prediz que as duas cadeias polinucleotídicas são antiparalelas, ou seja, elas tem polaridades opostas.

  • Se pensarmos na hélice de DNA como uma estrutura cilindríca, com cerca de 2 nm de diâmetro, notaremos que a superfície da molécula é irregular, formando 2 sulcos ou depressões, de tamanhos diferentes, que giram ao longo de todo o seu comprimento.
  • O sulco menor, resulta da depressão entre as duas cadeias complementares, enquanto que o sulco maior resulta da depressão existente entre os giros adjacentes da hélice.
  • Os sulcos são importantes porque deixam livres superfícies para a interação entre o DNA e as proteínas

Duplicação do DNA

  • A célula duplica o DNA por um processo chamado duplicação semiconservativo.
  • Cada DNA novo possui uma das cadeias de nucleotídeos da molécula-mãe, garantindo que as células resultantes do processo recebam o mesmo material genético.
  • Na duplicação do DNA há participação de uma enzima a DNA-polimerase, que catalisa a síntese da cadeia nova tomando a cadeia-mãe como molde.

Síntese de RNA: Transcrição

    • O RNA é formado por um processo denominado transcrição.
    • O trecho da molécula de DNA que contém um gene a ser transcrito abre-se, e nesse ponto inicia-se o emparelhamento de nucleotídeos do RNA por ação da enzima RNA-polimerase.
    • Os nucleotídeos do RNA, possuem os mesmos constituintes básicos do DNA, só diferenciando o açúcar, que no caso do RNA é a ribose e uma das bases nitrogenadas a uracila (U) em vez da timina (T), no DNA.
    • Na formação do RNA, o emparelhamento de nucleotídeos ocorre de forma definida, pois as bases nitrogenadas são complementares.
    • Se um trecho de DNA tiver a seqüência ATCG, o RNA que se formará terá a seqüência UAGC.

O código genético

  • Cada proteína é formada por uma seqüência específica de aminoácidos que é determinada  pelo gene.
  • Existem vinte tipos diferentes de aminoácidos e que cada gene é formado por uma seqüência de bases nitrogenadas.
  • As trincas de bases nitrogenadas que formam cada aminoácido, chamado de código de trincas ou tríades.

Síntese de proteínas: tradução

  • O processo de síntese de proteínas é denominado tradução, onde participam os três tipos de RNA.
  • RNA ribossômico (RNAr)- ocorre associado a proteínas, formando os ribossomos.
  • RNA mensageiro (RNAm)- é formado por uma filamento simples que leva a informação do DNA dos cromossomos  para a produção do polipeptídeo no citoplasma.
  • RNA transportador (RNAt)- é o menor RNA da célula e tem o formato de folha de trevo, ele também possui o anticódon, que reconhece o códon no RNAm determinando a posição do aa na proteína.

Toda molécula de RNAM  possui:

  • Um códon de iniciação, que é sempre o mesmo (AUG), correspondente ao aa metionina.
  • Vários códons que determinam a sequencia dos aa no polipeptídeo.
  • Um códon de terminação, que marca o final  daquela cadeia polipeptídica, podendo se UAG, UAA ou UGA, só um deles na molécula de RNAm.

         Etapas da tradução

  • A tradução ocorre em três etapas sucessivas: iniciação, alongamento e terminação
  • Iniciação: a porção menor do ribossomo associa-se ao RNAt da metionina e juntos passam a percorrer a molécula  de RNAm até encontrarem o códon de iniciação UAG. Então a subunidade maior do ribossomo une-se à subunidade menor.

  Existem dois tipos do ribossomos: sítio A e sítio P.

  • No sítio A, ocorre a entrada do aminoácido.
  • No sítio P, onde fica o polipeptídeo em formação.
  • O RNAt da metionina fica associado ao sítio P do ribossomo, e o sítio A nesse momento permanece vazio.
  • A metionina é o primeiro aa da cadeia polipeptídica.
  • No alongamento, um RNAt do aa que corresponde ao códon seguinte do RNAm encaixa-se no sítio A.
  • Uma ligação peptídica é estabelecida entre os dois aminoácidos e o RNAt da metionina é liberado.
  • O ribossomo desloca-se no RNAm e os dois aminoácidos unidos passam a ocupar o sítio P, deixando o sítio A vazio.
  • Então, outro RNAt, com um terceiro aa que seja reconhecido pelo terceiro códon do RNAm, entra no sítio A ocorrendo a formação de outra ligação peptídica entre o 2º e o 3º aa.
  • O RNAt do 2º aa é liberado e o ribossomo se desloca até o próximo códon. A cadeia formada ocupa o sítio P e o A fica vazio.
  • Na terminação, o sítio A é ocupado por proteínas citoplasmáticas que se ligam diretamente ao códon de terminação do RNAm, cessando a síntese daquela molécula de polipeptídeo.
  • Ela é liberada do ribossomo, as subunidades maior e menor dissociam-se e o RNAm fica livre  no citoplasma.
  • A metionina do início da cadeia pode ser removida ou fazer parte do polipeptídeo.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.